Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Para Sempre TóTó

TóTó é o nome carinhoso que ele me dá. Ar calmo e sereno versus um turbilhão interior. Serei eu assim, Para Sempre.

Para Sempre TóTó

TóTó é o nome carinhoso que ele me dá. Ar calmo e sereno versus um turbilhão interior. Serei eu assim, Para Sempre.

Gemada, ainda alguém come? E caldo de farinha?

21.08.18, a tótó
Lembrei-me ontem de gemada e caldo de farinha e como eu gostava de comer aquilo.   Batia vigoramente o ovo com o açúcar, até ficar com uma textura fofinha...comia à colherada...passava fatia de pão na caneca, para não se desperdiçar nada.    A minha mãe fazia-nos o caldo de farinha. Eu deixava sempre embolar, ela não, deixava-a sempre lisinha, não havia cá grumos. Aquele saborzinho a limão...tão bom...   Dantes tinha direito a um bollycao quando ia ao supermercado de (...)

Sabes o que é a liberdade?

25.04.18, a tótó
No outro dia perguntava ao meu pai "achas que tenho uma vida demasiado fácil?"    Ele encolheu os ombros. Não quis dizer nada sobre isso. Não puxei por ele, sei pelo que passou. Sabia qual seria a resposta.   Este homem viveu dois anos no meio do descampado em Angola. Era ele que decifrava as mensagens. Era ele que sabia em primeira mão o que se passava lá fora, no campo de batalha e na metrópole.   No dia que subiu ao avião da força aérea portuguesa, no primeiro dia que (...)

Ó tempo, volta para trás?

16.02.18, a tótó
Por vezes temos tesouros debaixo do nosso nariz e nem os vemos.   É tão certo.   Hoje descobri debaixo de um tapete em vinil, de uma casa com muitos anos, jornais de 1969 a 1985. Custavam um 1$00. Eram o dobro do tamanho dos jornais de hoje. Foi tão curioso. Ficámos deliciados quando descobrimos as folhas de papel. Que surpresa. Pareciamos crianças a ver aquela descoberta. A olhar os pormenores. As noticias. Aquelas folhas mantiveram-se intactas todos estes anos, debaixo daquele (...)