Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

TóTó é o nome carinhoso que ele me dá. Ar calmo e sereno versus um turbilhão interior. Serei eu assim, Para Sempre.

TóTó é o nome carinhoso que ele me dá. Ar calmo e sereno versus um turbilhão interior. Serei eu assim, Para Sempre.

Início da semana com ar condicionado e bebés

Mais um início de semana depois de um fim de semana ideal para fazer grelhados sem brasas...   A minha casa aqueceu demasiado, eu transpirava por todo lado, nada de ventinho fresco e pela primeira vez falámos de colocar ar condicionado ou ventoinhas ou o que fosse em casa para refrescarmos. Em dois anos nunca tinha aquecido assim, nem no ano passado quando veio também aquele calor abrasador...   Também falámos de descendência, como costumamos falar, a brincar, a chamar-lhe pelo (...)

Estou enclausurada no escritório num dia de super-verão.

Felizmente está tudo organizado e as tecnologias permitiram-me ficar enclausurada no escritório. Com ar condicionado a bombar desde manhã, só sei que está um calor do catano porque quem aparece aqui parece ter corrido uma maratona.    Mas vamos lá ver, quando sair daqui o que é que me vai acontecer?      Pois....  

Em noites como estas

é que eu gostava de ter uma piscina...   as luzes de presença amenas... as velas e tochas espalhadas pelo jardim... o cheiro da terra seca... as vozes dos grilos... o chapinhar da água... a frescura da água no corpo... e relaxar... relaxar...         depois lembro de que os custos de construção e de manutenção e a própria manutenção não são muito económicas, para além da quantidade de água necessária para encher uma piscina (depende do tamanho eu sei, mas não deixa (...)

HIgh by the beach

Esta música descobriu-me e não me larga agora...     ... pois era mesmo isto que eu gostava de fazer depois do dia de amanhã ( desde que não fosse numa beach do litoral oeste, entenda-se) 

Estuda Tótó!

Estou desejosa que chegue aí as 21 horas de amanhã. Quando tiver feito o último exame do semestre e dar por finalizado o 1º ano do mestrado.   Como o tempo passou. Há um ano atrás, era madrugada e estavamos na cama. Refletia com o J. esta decisão de tirar o mestrado. Não sabia se seria interessante fazê-lo e pensava no quanto me obrigava a poupar e a abdicar de uma série de coisas.     Dizem que nunca se sabe como são as coisas até passarmos por elas.     Se estou a achar (...)