Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Para Sempre TóTó

TóTó é o nome carinhoso que ele me dá. Ar calmo e sereno versus um turbilhão interior. Serei eu assim, Para Sempre.

Para Sempre TóTó

TóTó é o nome carinhoso que ele me dá. Ar calmo e sereno versus um turbilhão interior. Serei eu assim, Para Sempre.

A medalha que pões ao peito.

29.07.21, a tótó

Há um ano atrás eu estava neste estado . Nessa altura, a Vogue, tinha lançado uma revista, com uma capa controversa e eu estava uma lástima.

Este ano, uma ginasta norte-americana bem medalhada atirou a toalha ao chão, pondo, novamente, o mundo a olhar para a saúde mental, que atinge qualquer um, de diferentes formas e feitios.

E todo o mundo bate palmas, apoia e reage favoralmente, mas por quanto tempo? Quantas figuras poderosas precisam de mostrar a sua vulnerabilidade para os mais pequenos serem compreendidos?

Felizmente hoje estou melhor, mas foi preciso gritar "Basta!" e fazer-me ao caminho. Fazer terapia foi o melhor passo que dei. Mas não é o psicólogo que te cura! És tu!

Vizinho, desculpe interromper a sua queca!

23.07.21, a tótó

Aqui estou eu, com uma insónia provocada pelos meus vizinhos de cima.

Festa de anos e tal, convidaram uma ninhada de gente, à meia noite e meia não se calavam, a música tocava, os miúdos pulavam, gritavam, uma festa que, portanto, eu suportaria ao limite se não fosse dia de semana e tivesse que acordar cedo para ir trabalhar. 

Pois bem, chamei a GNR mas eles acharam graça e o forrobodo continuou. Uma hora depois liguei novamente para GNR a dizer que não tinham obedecido. Estupidamente não quis que pagassem uma multa, por isso não os mandei vir cá de novo. A festa continuou até às 2.30h. Passada uma hora, a cama deles começa a ranger e accionei o pior de mim.

Gritei que me esfarrapei e o João dotou-se do cabo da mopa e foi teto acima, pancadas insistentes, ao ritmo do acto e voltei a insistir na gritaria. A ideia era desconcentrar, de tão bêbado que estava, a ideia era não chegar mesmo a bom porto. E olhem que acho que conseguimos. 

São 2 anos e meio disto. Eles não querem saber se há vizinhos por baixo ou não, se é dia ou noite, para eles tanto faz. O barulho existe, é para usufruir de todas as formas. E fui engolindo, engolindo, tenho horror a conflitos, das consequências que podem trazer-nos mas hoje, agora, deixem-me saborear este gosto delicioso de uma noite de desassossego em troca de uma queca interrompida. 

E a miúda deles está sempre a acordar a chorar. 

A-D-O-R-O!!!