Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Para Sempre TóTó

TóTó é o nome carinhoso que ele me dá. Ar calmo e sereno versus um turbilhão interior. Serei eu assim, Para Sempre.

Para Sempre TóTó

TóTó é o nome carinhoso que ele me dá. Ar calmo e sereno versus um turbilhão interior. Serei eu assim, Para Sempre.

Não me preparei para o despedimento.

24.05.19, a tótó

Todos os que lêem os meus resmungos por aqui, sabem o quanto ando aborrecida com o meu trabalho e com algumas atitudes nele com as quais não me identifico. Foram algumas tentativas para a mudança e eis que chegou à minha frente, assim do nada, uma oportunidade: voltar ao meu ponto de partida, onde a minha história profissional deu início e da qual sentia uma pontinha de nostalgia sempre que passava por lá.

E lamento para aqui e para ali, para acoli e para acolá e nunca pensei na hora da verdade!

Já me despedi antes, pois claro. Da primeira vez ia toda a tremer mas ia muito certa do que ia fazer. Mas o patrão não deixou, convenceu-me que ia ser diferente. E foi. Da 2a vez senti pena mas estava super feliz porque ia voltar à minha área profissional.

E agora eis-me aqui, acabadinha de me demitir

Nunca é fácil. Frio na barriga, tremeliques, mãos suadas, uma noite quase sem dormir. Desejava uma mudança e quando chegou o momento, na minha cabeça passavam disparates como " a empresa precisa de mim, não é a altura ideal, cometi muitas falhas, e sou uma ingrata em deixá-los assim". E um medo horrível de dizer o discurso da despedida. Pensava que nunca ia conseguir, iria ter aquele lugar para todo o sempre. Felizmente tenho um outro lado que afugenta pensamentos deste tipo, nem sempre, mas desta vez deixou-me centrar apenas em mim e fazer ver que independentemente de ser uma boa ou má decisão é a que acho melhor neste momento e tenho que usar todos os ensinamentos que recebi até aqui e melhorar continuamente. 

Um novo sítio, uma nova função é sempre entusiasmente, é como o ano novo, enchemo-nos de objetivos e esperanças e depois acaba-se por fazer muito pouco. É isto que eu gostava que não acontecesse. 

Quanto ao ainda meu trabalho, terei que passar mais um tempo na empresa para cumprir com a lei e isso custa um bocadinho, dar o meu tempo a algo que está oficialmente terminado, custa levantar de manhã, custa continuar a ter chatices mas também há alívio e a alegria por deixar um lugar que me estava a deixar infeliz e doente. 

Agora espera-me muito trabalho, muito estudo e revisão de matéria mas também espero estar a altura do desafio. Vou fazer por isso. 

Estou ligeiramente insegura mas há-de ser como andar de bicicleta, nunca se esquece. 

 

Quit.jpg

 

A surpresa do último episódio de GOT.

23.05.19, a tótó

Eu sou das que lêem os textos que dizem "contém spoilers" e pouco me importa saber o que vai acontecer, há sempre surpresas e não sei o modo como as cenas se vão desenrolar.

O último episódio de GOT foi assim. Eu li na 2ª feira de manhã o que iria ver à noite e ufa! Foi por um triz. Quando me dei conta das horas já estava quase a começar e ainda não tinha o jantar feito.

Já tinha feito o meu episódio mental e houve factos que me surpreenderam como o Jon matar a Dany. Pensei que fosse a Arya.

Não pensei no Bran como o Rei, inclinava-me para a Sansa, mas esta também ficou muito bem posicionada.

Gostei do facto de ter havido passagens cómicas.

Adorei a cena em que a Dany aparece ao publico, no cima das escadas, com a destruição e o seu filho atrás e a abertura das asas do dragão, centrado com ela, de forma a parecer que ela é sua mãe e também ela tem asas.

 

got.png

 

O trono de ferro a derreter, um sinal de que o trono seria para Bran.

A doçura do dragão a chorar pela mãe e levá-la com ele.

 

Não acompanhei a série quando começou, resolvi um dia, há uns anos atrás, ver o porquê de falarem tanto da série. Consegui começar desde o primeiro episódio e obrigava-me a parar de ver, era viciante. Se bem que a série foi amornando mas o factor surpresa esteve sempre presente em todas as temporadas.

Traz muita moral para os jogos de poder, para as pessoas que vivem em esquemas e estratégias.

 

Ser mau às vezes é bom, ser bom nem sempre é mau. 

 

Pág. 1/2