Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Para Sempre TóTó

TóTó é o nome carinhoso que ele me dá. Ar calmo e sereno versus um turbilhão interior. Serei eu assim, Para Sempre.

Para Sempre TóTó

TóTó é o nome carinhoso que ele me dá. Ar calmo e sereno versus um turbilhão interior. Serei eu assim, Para Sempre.

1986 - Um ano de excelência!

13.03.18, a tótó

Não tivesse eu nascido no segundo semestre desse ano. 

 

Nuno Markl criou a série "1986". Gosto dele, daquele seu humor distraído mas muito divertido, (parece uma pessoa que eu cá sei). Tenho seguido o seu instagram, com as inúeras novidades que foi colocando ao longo dos meses. E este deve estar cheio de ansiedades e comichões porque a sua série, o seu novo bébé vai estrear hoje na RTP1, pelas 22 horas.

 

 

Fevereiro de 1986 em Portugal.

A segunda volta das eleições presidenciais decide-se na mais intensa e renhida das lutas do pós-25 de Abril: de um lado, Mário Soares; do outro, Freitas do Amaral. Ambos os candidatos investem tudo numa das mais delirantes e mediáticas campanhas eleitorais da História.

Há hinos pop/rock. Há chapéus de palha para os adeptos do P’rá Frente Portugal de Freitas e autocolantes com sóis sorridentes para os crentes no lema “Soares é Fixe”.

A esquerda decide unir-se para assegurar a derrota do candidato da direita, o que obriga os comunistas portugueses a engolir o histórico sapo de votar Soares.

A hora da verdade chegará a 16 de Fevereiro.

No meio deste turbilhão, acompanhamos a mais inesperada história de Romeu e Julieta: Tiago é um jovem solitário de 15 anos, viciado nos filmes que aluga incessantemente no videoclube do bairro. O pai, Eduardo, viúvo, é um crítico de cinema de mau feitio, militante comunista, prestes a cometer o crime do século – vai ter de votar em Mário Soares. O afeto que tem pelo filho manifesta-o com os filmes – o seu projeto é tentar ensinar-lhe tudo sobre a vida através do cinema. E também dos ensinamentos de Marx, que Eduardo não consegue evitar despejar sobre todos os amigos que Tiago leva a casa, mesmo que prometa sempre ao filho que não irá tocar nesse assunto para não maçar ninguém.

Tiago apaixona-se por Marta, colega de escola que ele começa por admirar ao longe, no recreio da Escola Secundária, e com quem ele só consegue comunicar dentro do videoclube – ela trabalha ao balcão, o que faz daquele espaço, o videoclube Hollywood, um paraíso romântico platónico. Problema: Marta é filha de fervorosos militantes do CDS e apoiantes de Freitas do Amaral. Conseguirá o amor vencer barreiras entre tribos sociais e orientações políticas? O caminho está repleto de obstáculos – incluindo a mais caótica festa de campanha eleitoral da História.

 

1986.png