Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Para Sempre TóTó

TóTó é o nome carinhoso que ele me dá. Ar calmo e sereno versus um turbilhão interior. Serei eu assim, Para Sempre.

Para Sempre TóTó

TóTó é o nome carinhoso que ele me dá. Ar calmo e sereno versus um turbilhão interior. Serei eu assim, Para Sempre.

Circus

O fim de semana chega ao fim. Foi escuro, sonolento, depressivo. Se estou a adivinhar a doença, se calhar estou, o histórico familiar demonstra uma forte probabilidade. Se devia pedir ajuda? Devia! Mas a quem? Vão encher-me de comprimidos para depois andar lerdinha  das ideias, ainda mais? 

Já sou gozada o suficiente mesmo sem comprimidos. Não quero obrigado! 

Lembro-me de querer ser grande, acreditava que ia ser diferente, as pessoas iam tratar-me como uma adulta e ia ser tudo melhor. A minha mãe sorria e dizia para não pedir isso, que tinha tempo. Chegou no dia da criança a deixar-me um bilhete com uma foto minha com 2 anos e o bilhete dizia:" feliz dia da criança! Não queiras ser grande..." 

Tinhas razão mãe, ser grande é péssimo, principalmente para quem cresceu com medo de tudo, sempre a rebaixar-se perante os outros, sempre à espera que as frases, os insultos se voltassem contra quem os disse mas até lá, ficaram as palavras por  dizer a remoer-me na cabeça e no coração. Guardar tudo cá dentro faz mossa. Mas mesmo assim não aprendi, continuo a cometer os mesmos erros e mais uma vez a ser manipulada pelos outros. 

Os outros riem-se, qual hienas à espera da sua vítima. 

E agora precisava mais do que tudo de não ser aquilo que sou, poupava-me a escuridão, a solidão. 

Amanhã começa mais uma volta no carrossel. Veremos se não caio do cavalo outra vez. 

Carrossel.jpg

 

 

 

3 comentários

Comentar post